domingo, 26 de outubro de 2014

Resenha de Esposa 22


Hoje resolvi fazer uma resenha sobre o livro ''Esposa 22'', gente que livro maravilhoso. Gosto de livros assim, que as páginas quase viram sozinhas, que prende e dá vontade de seguir adiante. 
E com Esposa 22 foi assim, eu vi em promoção no Submarino e fui logo comprando, sim, eu tenho essa mania, de comprar livros se estiverem num preço bom, mesmo sem conhecê-los. 

Autora: Melanie Gideon
Páginas: 396
Editora: Intrínseca

Alice Buckle é uma mulher moderna, que está na crise dos 40, pois sua mãe morreu com 45 anos e ela está prestes a completar essa idade. Tem dois filhos adolescentes Zoe e Peter, e um casamento totalmente desgastado com William Buckle. 

William é um homem bonito e bom pai, porém, Alice sente que com o passar dos anos, o casamento caiu na rotina e que estão juntos apenas por causa dos seus filhos. Com isso, Alice recebe um convite anônimo de uma empresa de relacionamentos, que faz pesquisas e enquetes diárias, Alice é então codificada como Esposa 22 e o entrevistador como Pesquisador 101.

Por meio disso, ela consegue perceber os prós e contras do seu relacionamentos, de tantos anos de casada, ela conta tudo o que acha sobre o seu casamento com William, como se fosse um divã, um lugar onde ela pode desabafar, sem ser julgada ou até mesmo sem ser reconhecida.

Pesquisador 101,
Só um romântico pode reconhecer outro. Você existe de verdade? 
Esposa 22

Alice é aquela personagem que qualquer mulher se identifica, eu passei a viver como se fosse ela mesma; ela é totalmente divertida, autêntica, apaixonada por seus filhos e por suas amigas.
As conversas com o pesquisador 101 tornam-se algo diário em sua vida, como se fosse um diário pessoal, onde ela conta seus problemas familiares. Antes era apenas uma pesquisa, mas com o passar do tempo, criou-se um laço forte entre eles, esse laço ainda a ser definido, se seria algo bom ou ruim na vida de Alice.

''Já fez isso com outras mulheres? Ficar assim? Desse jeito que você é comigo?'' Esposa 22
''Não, nunca. Você é a primeira. Fique aqui. Só mais um pouquinho. Até a gente entender isso.'' Pesquisador 101

Só com esse diálogo, já deu pra perceber o clima entre eles né? Esse clima, eu não sabia ao certo dizer se era traição, se eu julgava ser certo, apenas compreendia Alice, pelo fato do desgaste do casamento dela, e eu mesma já vivi um relacionamento assim, de procurar nos outros, o que no seu não tem.

Parece errado, dado o que aconteceu. Esposa 22
Eu não estava mentindo para você. Pesquisador 101
Sobre o quê? Esposa 22
Eu me apaixonei mesmo por você. Pesquisador 101
Obrigado por dizer isso. Esposa 22
Se eu não fosse casado... Pesquisador 101
Se eu não fosse casada... Esposa 22

William, o marido de Alice ele se mostra distante, eu sentia raiva dele algumas vezes, se eu estivesse no lugar dela, já teria pedido o divórcio há tempos. Já o pesquisador 101, é um homem atraente e envolvente, suas perguntas e respostas trazem entrelinhas um certo mistério, acredito que isso foi o que fez Alice sentir essa necessidade de estar sempre em contato com ele.

Outra coisa maravilhosa nesse livro, é a narrativa em primeira pessoa, ela mesmo passa por tal situação e conta, como se estivéssemos em sua cabeça, ela faz o roteiro e torna-se dona da sua própria história. Sem contar sua filha Zoe e seu filho Peter, são super engraçados, eu dei risadas com esses dois. E com a Nedra, a melhor amiga de Alice, gostei também, pelo fato do livro narrar um casamento lésbico, uma coisa que eu nunca tinha lido em nenhum livro.

O desfecho do livro pra mim foi surpreendente, porque eu não conseguiria imaginar nada do que foi escrito. Pensei que seria algo totalmente previsível, mas na verdade não foi. Esposa 22, é um livro sobre como devemos encarar um relacionamento, caso ainda exista amor. Leitura leve, engraçada e romântica. De lição, tirei que só o amor não basta, não é o suficiente para sustentar uma relação.
Suuuuuuuper recomendo.
Beijinhossss, Vandréia Barbosa



P.s Recomendei pra minha amiga, ela leu e gostou tanto que disse que queria Esposa 22 – 2 
Dedico a minha amiga: Roberta Cardozo
  HAHAHAHA 

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Que eu te odeio tanto, porque gosto de você.


Eu odeio o seu sorriso, e seu jeito de falar

Eu odeio quando você me olha, e eu dou risada sem pensar
Eu odeio quando você me chama para conversar
Eu odeio quando você vem, e odeio mais ainda te esperar

Eu não sei o que fazer
Não tem ninguém aqui pra me impedir de te escrever
Outra canção pra me fazer entender
Que eu te odeio tanto porque gosto de você

Eu nunca acreditei que era mesmo pra valer
Eu nunca admiti que me importava com você
Agora tanto faz não quero mais me esconder
Estou falando na sua frente que eu te odeio
Por gostar tanto assim de você

Eu odeio dar conselhos que você nem vai usar
Eu odeio quando você fala dela e eu finjo não ligar
Eu odeio ver você com alguém que não tem nada a ver
Eu odeio ela ser tão sem graça
E você nem perceber

Eu não sei o que fazer
Não tem ninguém aqui pra me impedir de te escrever
Outra canção pra me fazer entender
Que eu te odeio tanto por que gosto de você

Eu nunca acreditei que era mesmo pra valer
Eu nunca admiti que me importava com você
Agora tanto faz não quero mais me esconder
Estou falando na sua frente que eu te odeio
Por gostar tanto assim de você

Você vai acordar um dia e perceber
Que mesmo sendo, um pouco estranha do meu jeito
Eu tentei te convencer

Que hoje eu acredito que é mesmo pra valer
Confesso, eu admito que me importo com você
Agora tanto faz não quero mais me esconder
Estou falando na sua frente que eu te odeio
Por gostar tanto assim de você.

Odeio - Manu Gavassi <3

Eu odeio


E se me perguntarem, qual a razão de eu ter me apaixonado por você, eu teria mil coisas pra listar.
Talvez, eu demorasse anos luz pra listar todas... Eu odeio quando estou com raiva de você e mesmo assim, você consegue me arrancar um sorriso. Eu odeio quando você fala alguma coisa idiota e eu dou risadas sem querer. Eu odeio quando você me tira do sério. Eu odeio quando você banca o autoritário. Eu odeio quando você é implicante. Eu odeio simplesmente o fato, de você sempre querer ser o dono da razão. Eu odeio quando você me faz chorar. Eu odeio quando me faz sorrir. Eu odeio quando você sorri (ah, que sorriso) de lado. Eu odeio esse seu jeito durão. Você me faz rir, me faz chorar, me deixa triste e me deixa alegre. E a coisa que eu mais odeio em você, é que você me faz te amar.


Bloqueios sentimentais



Sabe, aqui dentro do meu peito, tá repleto de sentimentos... Sentimentos confusos, que eu ainda não descobri qual destino darei á eles. Mas eles estão aqui, presentes em mim. Não sei bem como agir, falar ou pensar, me falta a vontade, a coragem, pra ser exata. O medo é mais forte, do que essa louca vontade de falar, de abrir a boca e deixar o coração fluir... É tão óbvio, será que não consegue ver? Ou será que não quer ver? Evitamos enxergar aquilo que nos é colocado a nossa frente, é como se eu vivesse num mundo de constantes bloqueios. Bloqueios sentimentais.
Quando penso em você, tento me bloquear mentalmente
Tento bloquear um beijo
Um abraço
Um sorriso
O seu cheiro
Tento bloquear o seu impacto sobre mim
Tento bloquear essa vontade de ter aqui bem juntinho, bem pertinho de mim...

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Quem de nós dois, vai dizer que é impossível o amor acontecer...



Eu e você
Não é assim tão complicado
Não é difícil perceber

Quem de nós dois
Vai dizer que é impossível
O amor acontecer

Se eu disser
Que já nem sinto nada
Que a estrada sem você
É mais segura
Eu sei você vai rir da minha cara
Eu já conheço o teu sorriso
Leio o teu olhar
Teu sorriso é só disfarce
O que eu já nem preciso

Sinto dizer que amo mesmo
Tá ruim pra disfarçar
Entre nós dois
Não cabe mais nenhum segredo
Além do que já combinamos

No vão das coisas que a gente disse
Não cabe mais sermos somente amigos
E quando eu falo que eu já nem quero
A frase fica pelo avesso
Meio na contra mão
E quando finjo que esqueço
Eu não esqueci nada

E cada vez que eu fujo, eu me aproximo mais
E te perder de vista assim é ruim demais
E é por isso que atravesso o teu futuro
E faço das lembranças um lugar seguro
Não é que eu queira reviver nenhum passado
Nem revirar um sentimento revirado
Mas toda vez que eu procuro uma saída
Acabo entrando sem querer na tua vida

Eu procurei qualquer desculpa pra não te encarar
Pra não dizer de novo e sempre a mesma coisa
Falar só por falar
Que eu já não tô nem aí pra essa conversa
Que a história de nós dois não me interessa
Se eu tento esconder meias verdades
Você conhece o meu sorriso
Lê o meu olhar
Meu sorriso é só disfarce
O que eu já nem preciso

E cada vez que eu fujo, eu me aproximo mais
E te perder de vista assim é ruim demais
E é por isso que atravesso o teu futuro
E faço das lembranças um lugar seguro
Não é que eu queira reviver nenhum passado
Nem revirar um sentimento revirado
Mas toda vez que eu procuro uma saída
Acabo entrando sem querer na tua vida

Ana Carolina - Quem de nós dois

domingo, 5 de outubro de 2014

Será sempre assim ...


Porque sempre fazemos isso ?
Porque acreditamos que podemos ser feliz com aquele menino, que na verdade não vale nada.
Porque sempre nos decepcionamos com quem menos esperávamos?
A vida é uma constante busca de respostas, daquelas perguntas que não foram respondidas.

Parece que eu gosto, é do estrago.




Não aguento mais você nos meus sonhos
Que sufoco
Durmo e sonho contigo quase todas as noites
É algo que eu não tenho como controlar
Como o que eu sinto por você
Cada dia que se passa, só aumenta
Incontrolável seria a palavra certa
Mas o que são palavras certas
Quando estamos confusos em relação aos sentimentos



Eu amo você, mas não sei o quê isso quer dizer.

Zeca Baleiro - Lenha

domingo, 21 de setembro de 2014

Tá na cara, só você que não percebeu ainda...



Tá na cara o meu sentimento
Fugi desse encontro pra ganhar
mais tempo
Você vai entender, entender
Esse segredo que guardei
Vou revelar...
Tantas palavras ensaiei
Tantas verdades pra contar

Se essa timidez deixar
Escondi este amor
Por falta de coragem,sei lá
Mas acho que a hora chegou
Eu vou falar...

Eu sonho acordado com seu beijo
Meu coração dispara se te vejo
Se isso não é amor
O que mais pode ser?
Já procurei não tem outra saida
Eu quero seu amor na minha vida
To de coração aberto pra você

Jeito Moleque - Coração Aberto

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

O que mais pode ser??



E se eu te disser, que dei o seu nome pro meu ursinho de pelúcia favorito?
E que escuto aquela música, que me mandou ouvir, umas mil vezes, só pra lembrar de ti.
E que cheiro pessoas que usam o mesmo perfume que você, me chamaria de louca?
Será que eu já posso enlouquecer? Ou devo apenas sorrir (Pitty)
E que quando eu estava de tpm, chorei usando a camisa que você havia usado, só pra ter você mais perto e poder sentir o seu cheiro.
Que quando você passa, eu só vejo você.
Que quando você passou a existir dentro de mim, os outros foram só os outros.
E que quando eu olho nos olhos teus, sinto o meu chão sumir.
Você é a minha desgraça e o meu ponto de paz.
A minha decadência e a minha escalada
Se isso não é amor, o que mais pode ser?



E se me pedisse pra pular de um prédio, eu diria sim.
 Qualquer coisa pra você gostar de mim....
Capital Inicial - Eu nunca disse adeus

Porque tudo em mim, ama tudo em você...

Cada dia que se passa eu me afundo mais
Me afundo nesse abismo de ilusões
Nesse abismo de sentimentos
Me envolvo mais com você 
Mesmo sabendo que não é um ato sã
Pra ser sincera
Me fodo mais
Me envolvo mais
Te amo mais


'Cause all of me
Loves all of you
Love your curves and all your edges
All your perfect imperfections
Give your all to me
I'll give my all to you
You're my end and my beginning
Even when I lose I'm winning
'Cause I give you all of me
And you give me all of you oh

John Legend- All of me

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

Quando tudo isso acabar

Como demoramos tanto para nos aproximarmos? Me pergunto isso até hoje...
Temos uma sintonia tão boa, uma carinho, não sei dizer o que é essa ''coisa''. 
Não sei dizer se é bom ou ruim.
Só sei sentir.
Sentir seu cheiro
Seu sorriso
Seu perfume
E sofrer com cada impacto seu sobre mim...
De uma coisa eu tenho certeza
Quando nós nos afastarmos
Eu sentirei uma enorme falta

terça-feira, 26 de agosto de 2014

minha vida amorosa tá boa, tão boa quanto uma merda

Primeiro, eu digo que estou a fim de um cara muito do sem noção, daí fode tudo, quando ele começa a ficar praticamente 24 hs por dia grudado em mim, ócios do ofício, daí conheço um cara muito bonito e muito carinhoso, até na minha casa chegou a ir, daí descubro que é casado e que a mulher dele estava até grávida, daí aceito sair com um amigo meu, to esperando até hoje, pois é, tomei um bolo, daí eu começo a sair com outro amigo meu, que mais me enrola do que desenrola, daí eu começo a ficar com um outro cara e estava até tudo numa boa, até que eu descubro que ele namora e eu era a amante, pior ainda descobri que havia me metido nessa confusão, quando a própria namorada veio falar comigo e me contar a verdade. Acho que a mandinga que o meu ex fez pra mim, é das fortes ein... ah, também tenho um ex que não sai do meu pé. (só pra acrescentar na listinha) É meus amigos, se tá foda pra vocês, imagina pra mim... Só queria dizer que to com sintomas de mulher apaixonada, melou de vez. Sintomas é pouco, estou no estágio catastrófico de mulher apaixonada. Se alguém souber a cura, por favor, me conte!

domingo, 17 de agosto de 2014

Só por você eu dei até o que eu não tive




Os meus olhos cheios d'água
Seu mar vazio
Qual é o fio que nos une e nos separa?

Eu quero seu sorriso
No correr da minha hora
E não falta nada pra gente ser feliz agora

Só por você eu dei até o que eu não tive
Há tantos que vivem, sem viver um grande amor
Eu que sonhei por tanto tempo em ser livre
Me prenda em seus braços
É o que eu te peço

Somos um barco no meio da chuva
Um edifício no meio do mundo
Fortes e unidos como a imensidão
Um passeio no meio da rua
Vamos dias e noites afora
Agora podemos ver na escuridão

Só por você eu dei até o que eu não tive
Há tantos que vivem, sem viver um grande amor
Eu que sonhei por tanto tempo em ser livre
Me prenda em seus braços
É o que eu te peço

Ana Carolina- Um edifício no meio do mundo

Me vi na sua mão


Incertezas, ultimamente tenho vivido uma vida de incertezas 
Não sei o que fazer mais em relação a nada, aos meus sentimentos por você 
E a única maneira que eu vejo de colocar isso pra fora, é escrevendo
Como diria Jorge Vercillo, condenada eu fui, a forjar o amor
Forjar no sentido de imaginar coisas, imaginar que você talvez gostasse de mim
Percebi o quanto eu gostava de você, quando me peguei chorando por ti
Eu não queria que nada fosse desse jeito, eu não queria mesmo
Eu queria estar longe de você, queria ter forças pra ficar longe
Queria não imaginar como é teu beijo
Teu abraço
Queria não ficar viajando no teu sorriso
Queria não entrar em frenesi, toda vez que sinto o teu cheiro
Uma paz toma conta de mim
Chego a sentir leveza
Queria não ter você em todos os meus sonhos
Queria não ter mais você em minha vida
Parar de respirar por ti e viver mais por mim
Queria não estar apaixonada por você
Mas o que eu queria mesmo
 Era conseguir te esquecer


sexta-feira, 15 de agosto de 2014

Incertezas

A vida era cheia de incertezas. Não mais que ela. Ela tinha incerteza do incerto, medo do futuro, e falta de ação. Ela acreditava que o futuro da gente dependia das nossas escolhas, do que passamos a acreditar que seja o melhor. Ela só não sabia como criar coragem, como não sofrer diante da rotina, dos dias longos e chatos que passavam, ela seria feliz? Ou melhor ela era feliz? E o caminho estava certo, ou ela teria tomado um atalho? E quando lá na frente olhasse para trás, teria se arrependido ou teria orgulho do que se tornou? Ninguém ensina a viver, porque a vida só se aprende vivendo, meia dúzias de palavras não traduzem uma sensação, assim como a incerteza não deve ser impedimento para que se viva, a palavra chave é : esperança.
- Aline Cris

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Clarice por Clarice


"Eu sou uma amadora. Só escrevo quando eu quero e faço questão de continuar sendo amadora.''

Como eu disse anteriormente , tive um trabalho escolar (artigo de opinião) sobre três livros e desses livros, um era A hora da Estrela de Clarice Lispector. Gente, o que dizer dessa mulher totalmente misteriosa? Eu só ouvia falar e lia aquelas frases bonitas e intensas sobre o amor e a vida, mas nunca havia procurado saber sobre a sua biografia. Porque virou um pouco de ''modinha'' citar Clarice nas redes sociais, tadinha, deve estar se revirando no túmulo.
 Enfim, Clarice era um ser tão difícil, inteligível, que era chamada de hermética por muitos críticos, que significa aquilo que é difícil de ser compreendido. Quando comecei a escrever o artigo, vi a necessidade de entender mais da vida dos autores dos livros, resolvi assistir então algumas entrevistas de Clarice. Link das entrevistas aqui e aqui. Ah, outra coisa, as entrevistas só puderam ser publicadas depois de sua morte e assim foi feito, foi gravada no início de 1977, apenas quando Clarice morreu, em Dezembro do mesmo ano, que ela pôde ser publicada. Pedido da própria Clarice, que na verdade se chamava Haya.
Não sei vocês, mas pra mim, tá pra nascer mulher mais misteriosa, confesso que fiquei meio arrepiada, me deu medo e curiosidade;  ela tem uma certa frieza, porém uma firmeza nas palavras. Imagino o que essa mulher passou, muitas pessoas achavam que ela era brasileira e na verdade ela era judia, nascida na Ucrânia, porém veio para o Brasil em 1920, ainda nova. Só por ela ser judia, dá pra imaginar o que ela passou... Aparentava ser depressiva, perturbada, complexada, pelo olhar dela dava pra sentir isso.
O último livro dela, foi o que eu li, A hora da estrela, ela escreveu quando estava doente, com câncer, deu pra notar que ela passou pro livro, o que ela praticamente havia vivido, quando deu características suas á Macabéa, a protagonista do livro. Não sei se vocês sabem, mas Clarice tinha uma mão defeituosa/queimada, consequência de seu vício pelo cigarro, pois dormiu fumando, o que ocasionou um incêndio em sua casa, no dia 14 de setembro de 1966. (meu aniversário é mês que vem, dia 14 de setembro, falta um mês, que coincidência, cruzes). Enfim, quando Clarice descreveu sua adolescência, ela disse exatamente essas palavras ''caótica, intensa, inteiramente fora da realidade, da vida''.
Sabe aquelas pessoas que sofreram na vida, então, Clarice era assim, gostava de atrair coisas ruins, com certeza ela era perturbada, ela não se considerava escritora, pois dizia que escrevia quando queria e quando não escrevia parecia estar morta.
''Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa.''
''Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas.A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro...''
''Enquanto eu tiver perguntas e não houver resposta continuarei a escrever."
"Já que sou, o jeito é ser."
''Suponho que me entender não é uma questão de inteligência e sim de sentir, de entrar em contato... Ou toca, ou não toca. ''
''Bom agora eu morri, quero ver se eu renasço de novo. ''

Do meu ponto de vista, Clarice era depressiva e ninguém sabia, por isso seus contos e suas obras foram tão misteriosas, matei a charada. Agora deixo esse último verso, para reflexão de vocês...

"Uma vida plena pode ser aquela que alcance uma identificação tão completa com o não-eu que não haja mais um eu para morrer" 

Clarice Lispector


terça-feira, 12 de agosto de 2014

Escrevendo um artigo de opinião


Gente, um dia desses aí, minha professora de língua portuguesa pediu que fizéssemos um artigo de opinião em um trabalho. Óbvio, individual. Como é difícil, já fiz artigo científico e não considerei tão difícil quanto de opinião. Primeiro, que é muito difícil parafrasear uma opinião, ela deve ser bem formada, bem articulada, não deve conter gírias, como: mano, tipo, muito menos cara (sim, eu falo cara com uma certa frequência). Só uma coisa a dizer, agora eu entendo porque escritores levam anos pra escreverem um livro... Gente, sério, eu fiquei horas e horas, olhando pra tela do notebook e viajando na temática, tentando desenvolver, tentando rascunhar, gritar, rabiscar.  E NÃO SAÍA NADA, SIMPLESMENTE NADA. Como lidar (?) Pesquisando no Google até agora. Enfim, pior de tudo, é que não é só a dificuldade de escrever um artigo e sim também a dificuldade de escrever um artigo sobre três livros que eu li, falando da temática em comum abordada nos três, sério, pular do quinto andar de um prédio é menos doloroso. Eu amo escrever, mas é tão difícil dissertar sobre temas dos quais não dominamos, por isso tirei seiscentos na redação do enem ano passado (eu sei lá sobre lei seca). Pois é, descobri que sou uma escritora do araque, pra ser sincera.
Ainda to me descobrindo como escritora, talvez eu consiga acabar esse artigo de opinião ou talvez não. No momento estou tentando enfrentar o medo.
P.s: Vale muito ponto, preciso acabar sim.
Se ficar mais ou menos eu posto aqui e se ficar muito ruim, também posto, pra vocês verem a minha derrota.

"Eu escrevo sem esperança de que o que eu escrevo altere qualquer coisa. Não altera em nada... Porque no fundo a gente não está querendo alterar as coisas. A gente está querendo desabrochar de um modo ou de outro..."
Clarice Lispector
Beijinhosss, Vands

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Resenha de Um dia




Autor: David Nicholls
Páginas: 416
Editora: Intrínseca

Hoje eu resolvi falar sobre o meu livro favorito, já que gosto tanto de ler, é claro que eu tenho o meu favorito. E não é apenas um livro, não pelo menos pra mim. É O livro e O filme, sério mesmo, aconteceu uma coisa estranha comigo, eu gostei muito dele, eu me identifiquei com a protagonista e com o enredo, eu me apaixonei. 
Bom, esse livro é Um dia do David Nicholls, da Editora Intrínseca. Eu vi primeiro o filme, em novembro de 2012 e era aniversário da minha mãe, minha casa estava cheia e eu antissocial estava deitada no sofá, vendo filme. E como eu tenho uma coisa com dia 15, sei lá, eu gosto, meu aniversário é dia 14 e eu gosto do dia seguinte, que é o 15, vai entender; meu antigo namoro eu comemorava dia 15 também, o aniversário da minha mãe é dia 15, então, resumindo eu curto o dia 15. Eu não sou doida, juro.
Então, a Emma Morley é a mais perfeita protagonista de um livro, sério mesmo, ela conta detalhes, pensamentos e isso entusiasma o leitor, é bom. Não sei dizer porque gosto tanto da história, apenas gosto. A história se passa na Inglaterra e daí vai contando a história de ano em ano, todo dia 15 de Julho. Olha aí o dia quinze de novo. E conta a história de vida de Emma Morley e de Dexter Mayhew, eles se conheceram na festa de formatura de 1988 e viraram grandes amigos, daí a vida deles vai aparecendo em flashes, porém eles ainda são grandes amigos. Quando me dei conta, eu estava vivendo como a Emma e apaixonada pelo Dex, eles usam até um trocadilho, Em e Dex, Dex e Em contra o mundo. Não vou contar muita coisa, pra não falar demais e soltar spoilers. Eu amei o filme, chorei horrores, porque sou mega chata e chorosa, choro com quase tudo, com filmes românticos, comédia romântica e com meu seriado favorito (Greys Anatomy). Com isso, pedi a minha avó de presente o livro, li e não poderia ser mais perfeito. A diretora do filme, seguiu à risca o livro e isso é bom, pois o filme não fica sem sentido.
Na capa vem escrito “Vinte anos. Duas pessoas.”
Vai por mim, parece bem previsível, mas acredite, não é nem um pouco. Escolhi as melhores cenas do filme e vou postar aqui pra vocês sentirem vontade de assisti-lo. Ah, tem também a minha frase favorita.
“O que quer que aconteça amanhã, tivemos o hoje.”

Beijinhos, Vandréia Barbosa